Juan Gris e a volta por cima

Juan Gris, 'Still life with checked tablecloth', 1915

Juan Gris, ‘Still life with checked tablecloth’, 1915

Juan Gris (1887-1927) era um artista gráfico e pintor espanhol atuante principalmente em Paris, onde se estabeleceu em 1906. Tanto quanto Picasso ou Braque foi um artista especialmente relevante para o Cubismo, porém pouca menção se faz ao artista. A  partir de 1913, Gris passou a desenvolver desenhos ‘matemáticos’, estudos preparatórios para suas telas utilizando instrumentos geométricos (réguas, esquadros e compassos), indicando um desejo de sistematizar o procedimento cubista e sedimentando o chamado cubismo sintético.

Era um pacifista. Durante os anos de guerra, continuou produzindo lenta e constantemente. Por não ter prestado serviço militar era considerado um ‘fugitivo’, não podendo retornar à Espanha, assim como seu compatriota Picasso. Em 1915, quando pintou Still life with checked tablecloth, o artista estava na França. Percebe-se que Gris sabia do potencial dos jornais, visíveis em numerosas telas cubistas pintadas durante a guerra, quando ele pintou cuidadosamente a manchete:  ‘Official Communiqués’ no jornal fictício em Still life with checked tablecloth. Na mesma época o artista escreveu em uma carta a um amigo: “Eu nem estou gostando de ler jornais, porque estou muito impressionado e aterrorizado pelo que está acontecendo.”

Em 1921, no Hôtel Drouot (vizinho ao hotel onde Camille Pissarro pintou a série do Boulevard Montmartre, em 1897), Kahnweiler, o marchand de Gris, leiloou algumas de suas obras, que na época foram arrematadas a preços inferiores às obras de todos os outros artistas, entre eles Picasso, Léger, Derain, Vlaminck e Van Dongen. Agora Juan Gris deu a volta por cima. Sua pintura Still life with checked tablecloth surpreendeu o mercado de arte atingindo o preço de 34,8 milhões de libras (137 milhões de reais), um valor inédito para Gris, e o maior valor alcançado entre todas as obras leiloadas na Sotheby’s e na Christie’s, na semana passada.

Sobre Vânia Myrrha

Vânia Myrrha é arquiteta, professora de História da Arte, da Arquitetura e do Design. Doutoranda em Design na Universidade do Estado de Minas Gerais. Mestre em Arquitetura e Urbanismo - UFMG. Especialista em História da Arte pela PUC Minas. Especialista em Arte Contemporânea pelo IEC - Instituto de Educação Continuada - PUC Minas.
Esse post foi publicado em Arte, Arte Moderna, História da Arte e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s