“Vivia sua pintura e pintava sua vida”

Aluna de Corot, esposa de Eugène Manet, cunhada de Édouard Manet. Sua mãe, Marie-Joséphine-Cornélie era sobrinha-neta de Fragonard. Considerada durante muito tempo como uma acompanhante de Edgar Degas, Claude Monet, Camille Pisarro, Auguste Renoir e Alfred Sisley, foi na verdade integrante essencial do grupo de pintores impressionistas que romperam com a ideia tradicional de pintura em Paris, no final do século XIX.

Berthe Morisot (Bourges, 14 de janeiro de 1841-Paris, 2 de março de 1895) foi muito mais que uma artista coadjuvante no movimento impressionista, foi suficientemente rebelde para triunfar em um mundo reservado aos homens. Suas paisagens, retratos femininos e cenas cotidianas revelam seu protagonismo. É verdade que Morisot contou com ajuda, pois nasceu em uma família da alta burguesia que a educou no gosto pelas artes e na qual também havia pintores.

Espelho de Vestir, óleo sobre tela, 1876

Com esta tela, Morisot participou da Terceira Exposição Impressionista de 1877. A jovem que se veste diante do espelho, reflete sua preocupação pelo estudo da luz e da cor. Uma mulher burguesa e urbana, que demonstra também seu interesse por temas como a moda.

Diante das pinceladas de cores que dão forma a seus jardins e dos delicados nus femininos em atitudes cotidianas, percebe-se a diferença entre o tratamento que seus companheiros pintores davam a esses mesmos temas. Neles, os nus femininos são apresentados desde a perspectiva de um voyeur. Ela os rodeia de um ambiente intimista e cotidiano que facilita a aproximação do público. O poeta Paul Valéry resumia a forma de Berthe Morisot entender a arte: “Vivia sua pintura e pintava sua vida”.

Sobre Vânia Myrrha

Vânia Myrrha é arquiteta, professora de História da Arte, da Arquitetura e do Design. Doutoranda em Design na Universidade do Estado de Minas Gerais. Mestre em Arquitetura e Urbanismo - UFMG. Especialista em História da Arte pela PUC Minas. Especialista em Arte Contemporânea pelo IEC - Instituto de Educação Continuada - PUC Minas.
Esse post foi publicado em Arquitetura de Interior, Arte, História da Arte, Impressionismo, Painting e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s